quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Caio Cronista 10: Livros são ponte.

Na imagem, apenas o que restou de uma biblioteca atacada pela selvageria da guerra. E, nela, três homens. Postura que destoa do que os rodeia: destroços, destruição, violência. Como se estivessem em um templo, celebram os livros que sobreviveram à barbárie: um lê um livro alheio a tudo, mergulhado, quem sabe, nas aventuras por algum mundo ideal (ou não...); outro percorre o olhar pelas estantes, talvez, à procura de um título que de sentido ao sem-sentido da experiência vivida; o terceiro retira um livro da estante, já certo da leitura escolhida. Em comum, o cenário devastado, em comum, o desejo de mergulho na leitura.
Esta foto me faz pensar num grupo de quixote que, há 44 meses, acreditaram ser possível um manter pessoas reunidas em torno da leitura e, então, criaram a Reinações: Confraria da Leitura. Não importa se chuva, sol ou vento, os encontros sempre repleto de ideias, de emoções, de diálogo e discussão sobre tantos e tantos mundos inventados através da palavra. Nada mais os une além do desejo mesmo (e não pequeno) de pensar a existência a partir do encontro com o objeto artístico capacitador de voos e de fantasia: o livro. Ele mesmo com seu poder de deleitar, de nos levar à reflexão, de nos transformar.
Difícil crer, por vezes, que no século em que se apregoa o fim do livro, a necessidade do imediatismo, a leitura descartável e utilitária, que pessoas sejam capazes de saírem do óbvio e criarem possibilidades de troca. E essa ocorrendo através da magia que apenas um livro pode provocar, em seu tanto de prazer (ou de ódio) estético.
Ler, creio, estende pontes. Sempre. E não importa para onde. Ponte ao encontro do outro; pontes ao encontro do sonho; pontes ao encontro de nós mesmos. Pontes, sempre pontes.

2 comentários:

Peterson Rangel disse...

Nossa, não acreditei quando recebi em meu blog um comentário seu...É sério mesmo??? Estou sem palavras...Caio, muito obrigado pelas palavras...Parabéns pelo blog, pelos textos e por seres este escrito ímpar, sem igual...De coração mesmo, muito obrigado. São gestos como o seu que me dão mais ânimo para continuar escrevendo - ou tentando pelo menos -.
Quanto à solidão, obrigado pela dica, hehehehe!
Abraços!

Cissa disse...

Caio, teu blog é interessante como sua obra, apesar de que não a conheça toda. Abraços meus e da Bel, temos muito orgulho pelo caminho que trilhou e onde chegaste, e ainda vais chegar..., seguiremos te acompanhando. Acompanha também o meu, mais curto e singelo.
Meu blog de contos de humor, Humoremconto.
http://anaceciliaromeu.blogspot.com
Parabéns!
Ana Cecília