quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Confissão de Porto-alegrense

Confesso!
Creio que blogs também são lugares que propiciam confissões. Públicas. Tipo aquelas que algumas criaturas (não sei bem por quê) fazem naqueles programas B televisivos. O cara não tem coragem de contar para a mãe que é gay, aí vai a um programa de auditório e revela. A mulher não tem coragem de contar ao marido que o trai periodicamente, aí, o que ela faz...
Bueno, vou confessar e espero que minhas palavras encontrem eco.
Pois, então, adoro Porto Alegre no verão. Ou. Não sou do tipo que fico querendo praia, mar, areia.
Não gosto de sol e de areia.
Não curto o calor queimando minha pele. Fico, feito sei lá o quê, me escondendo debaixo do guarda-sol, querendo o tanto do pouco de sombra que ele me oferece.
Gosto de estar com a família, gosto de caminhar sentindo a água nos pés. Disso gosto. De praia, não. Do cheio de gentes disputando espaço na areia, não.
Prefiro meu corpo branquinho, bem branquinho.
Prefiro os cinemas sem tantas gentes, os restaurantes sem tantas gentes, os parques sem tantas gentes, as ruas sem tantas gentes, Porto Alegre sem tantas gentes.
Pronto, agora sou réu-confesso!

Um comentário:

Peterson Rangel disse...

devo admitir que também sou um réu-confesso e que também prefiro Porto Alegre sem tantas gentes, hehehehe! Belo texto Caio!
Abraços!